Etiquetas

, , ,

Os Caamitas, descendentes de Cam, são os povos negros da Etiópia, da Arábia do Sul, da Núbia, da Tripolitânia, da Somália (na verdade, os africanos do Velho Testamento) e algumas tribos que habitavam a Palestina antes que os hebreus as conquistassem como: os sidon, Hititas ou Hiteus, Jebuseus, Amorritas ou Amorreus, os Girgueseus, os Heveus, os Arquitas ou Arkitas, Sinitas, Arvaditas, Zemaritas e Hamartitas; todos com um ancestral comum Canaam e por isso muitas vezes designados como cananeus.

Os descendentes de Cam criaram três grandes grupos de povos: os descendentes de cush, muitas vezes apelidados de cushitas, os descendentes de Mizraim e os descendentes de Canaam, também denominados cananeus.

Os cushitas habitaram o lugar que na Bíblia aparece como terra de Cush ou em textos mais tardios como a Etiópia. “Kerma, cidade do início do segundo milênio aC, perto da terceira catarata do Nilo, na Núbia superior, que era quase certamente a capital do reino Cushita durante os reinos egípcios antigo e médio (2686 – 1650 aC)…” (Shau & Nicholson, 1995, p. 148).

Uma das personagens assinaláveis é Ninrode, filho de Cush. Foi poderoso e grande guerreiro. “O reino ou «terra de Ninrode» (Mq 5:6), refere-se à região adjacente à Assíria, a qual incluía as grandes cidades de Babel, Ereque (Warka), Acade (Agade), além de várias outras, na «terra de Sinear» (Gn 10:20; 11:2). O trecho de Gn 10:11 relata como Ninrode fundou Nínive, Reobote-Ir, Calá e Resen. Se, realmente, ele foi uma personagem histórica, então floresceu em cerca de 2450 A.C. Os muitos nomes de lugares que incorporam o seu nome emprestam crença à sua historicidade, embora saibamos tão pouco a seu respeito.” (Wikipédia, 2012)

“Ninrode (Genesis 10:8-12) foi o líder de maior destaque nos 400 anos entre o dilúvio e Abraão. Neto de Cam (v.8) e nascido pouco depois do dilúvio, pode ter vivido esse período inteiro (a julgar pelas idades mencionadas em 11:10-16). Era um homem bastante empreendedor.

Sua fama de “o mais valente dos caçadores” (v.9) significava que foi protetor do povo num período em que os animais selvagens eram uma ameaça contínua à população. Sinetes babilónicos primitivos representam um rei em combate com um leão – essa pode ser uma tradição de Ninrode.

Em sua ambição de controlar a raça que rapidamente se multiplicava e se espalhava, ele parece ter sido um dos líderes da edificação da torre de Babel. E, após a confusão dos idiomas e a dispersão do povo, Ninrode parece ter posteriormente retomado os trabalhos na babilónia. Em seguida construiu três cidades na vizinhança – Ereque, Acade e Calné – e as consolidou num só reino governado por ele mesmo. A Babilónia ficou sendo conhecida. Por longo tempo, como a terra de Ninrode.

Ainda ambicionando o controle da raça que se expandia cada vez mais, Ninrode avançou uns 480 Kms para o norte e fundou Nínive (embora certa versão diga que se tratava de Assur) e as três cidades vizinhas de Rebote-Ir, Calá e Resém.

Esse grupo de cidades, constituía o reino setentrional de Ninrode. Durante muitos séculos a partir de então, Babilónia e Nínive, fundadas por Ninrode, foram as principais cidades do mundo.” (Halley, 1999, p. 83)

“Raamah de raça Cushita. Chamado filho de Cush (Gen_10: 7; Septuaginta traduziu Rhegma o mesmo que em Ptolomeu 06:07, S. do golfo Pérsico). Sabá e Dedã são filhos de Raamá (Eze_27: 22). Sua localidade deve, portanto, ser sul da Arábia. Reconhecido como comerciantes com os povos de Tiro e outros (Eze_27: 22).” (Fausset)

Um outro filho de Cam era Mizraim. A sua importância no estudo dos povos bíblicos antigos reveste-se pelo facto de ser um ancestral dos filisteus de quem falaremos um pouco mais à frente.

Por fim temos Canaan, de onde descendem todos os povos cananeus. Ao contrário dos descendentes de Cush e de Mizraim estes povos não se radicaram nas regiões Africanas mas foram para a Palestina que acabou por ficar conhecida como a terra de Canaan. “Canaan tanto nas escrituras como em fontes externas tem um atríplice referência. Em primeiro lugar, e fundamentalmente, indica a terra e os habitantes das terras da costa siro-fenícia, especialmente a própria fenícia. Isto é indicado dentro de Gn. 10: 15-19 por sua detalhada enumeração de Sidom, o primogénito, os Arques, os Sineus, os Zemareus e Hamate no vale do Orontes. Referindo-se ainda mais especificamente à localização dos Cananeus, temos Nm. 13:29; Js 5:1; 11:3; Jz 1:27, passagens essasque os põem nas costas e nos vales e planícies (incluindo o vale do Jordão), e que põem os Amorreus e os outros nas colinas. Essa divisão também sublinha o detalhe das listas de nações em Gn. 15:18-21; Êx. 3:8,17; Dt. 7:1; etc. Esse uso restrito do termo cananeus também é atestado por registros externos de data antiga. Assim por exemplo, a inscrição de Idrimi, rei de Alalah (séc. XV a.C.), quem menciona a sua fuga para (o porto de mar de) Amia, na Canaan (costeira). Em segundo lugar, Cananeu é a palavra que também pode cobrir, por extensão, o interior e, assim sendo, a Siria-Palestina em geral. Assim é que Gn 10:15-19 inclui também os heteus, jebuseus, amorreus, heveus e girgaseus, onde é explicado que “depois se espalharam as famílias dos cananeus” (vers. 18); essa área mais lata é definida como aquela que se estende ao longo da costa desde sidom até Gaza, e para o interior, até às cidades do mar morto, Sodoma e Gomorra e aparentemente de volta ao norte até Lasa (localização incerta)… Esse uso mais lato é também equiparado nas fontes externas antigas. Em suas cartas de Amarna (séc. XIV a.C.), os reis de Babilónia e doutros lugares algumas vezes empregam o vocábulo Canaã para indicar os territórios Siro-palestinianos do egito em geral. E o papiro egípcio Anastasi III A (linhas 5, 6) e IV (16: linha 4), do séc XIII a.C., menciona escravos cananeus de Huru’ (=siria-palestina em geral). Em terceiro lugar o termo cananeu pode ter o sentido mais restrito de mercador, traficante, visto que o comércio era a característica mais notável dos cananeus. Nas escrituras esse sentido pode ser encontrado em Job 41:6; Is. 23:18; Ez 17:4; Sf. 1:11enquanto que a palavra Kn’t em Jr. 10:17 chega a ser usada para indicar artigos mercadorias. Esse emprego da palavra com o sentido de mercador é venerável: uma estela do Faraó Amenofis II (c. de 1440 a.C.) alista entre os cativos sirios ‘550 maryannu (=guerreiros de carruagens nobres), 240 de suas esposas, 640 Kn’w, 232 filhos de principes323 filhas de príncipes’, entre outros. Disso Maisler (BASOR, 102, 1946, pág. 9) tira a conclusão acertada que os 640 Kn’nw (cananeus), encontrados em tão nobre e exaltada companhia, eram negociantes, a plutocracia dos centros costeiros e comerciais da Síria e da Palestina.” (Douglas, J. D.; ed, 1999, p. 242)

É importante pensarmos um pouco na religião ou na religiosidade deste povo. “Para os cananeus, El ou Il era o deus supremo, o pai da humanidade e todas as criaturas” (Kugel, 2007, p. 423) “As tabletes ugaríticas permitem-nos colocar o El abraâmico no contexto de outras divindades adoradas na Síria (e, presumivelmente, em Canaã também). Na mitologia ugarítica, uma divindade chamada El era o chefe supremo do panteão de deuses, pai de criação, não muito diferente do papel do deus pagão allah na Arábia pré-islâmica. Apesar disso Baal é, de longe, o deus mais visível no panteão cananeu, mas também, foi subserviente à autoridade divina de El.” (Isbouts & Chilton, 2007, p. 52).

“Não há certeza se o Deus Yaheweh era conhecido ou não pelos cananeus. Milhares de tabletes de argila, guardados numa biblioteca existente entre dois templos, datados de cerca dos séculos XV e XIV a.C., descobertos em Ras Shamra, nos fornecem abundantes informações sobre a religião dos cananeus. Havia grosseira imoralidade de mistura com a adoração prestada a várias divindades da fertilidade, e os cananeus estavam maduros para o julgamento divino. É significativo que alguns dos nomes de Deus, no hebraico, têm paralelo nos nomes dos deuses cananeus, o que mostra que havia certo contacto e troca de ideias ali, embora a religião cananeia e a religião hebreia tanto diferissem, mormente no tocante ao monoteísmo… Templos Cananeus têm sido escavados… Muitos objetos relacionados com a adoração pagã têm sido desenterrados, como objetos de culto, facas, tenazes, vasos de libação e ossos de animais, o que mostra que ali se praticava o sacrifício de animais.” (Champlin, 2001, p. 621)

 

Obras Citadas

Champlin, R. N. (2001). Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia (5ª ed., Vol. I a VI). S. Paulo, S. Paulo, Brasil: Hagnos.

Douglas, J. D.; ed. (1999). O Novo Dicionário da Bíblia (2ª ed.). (R. P. Shedd, Ed., & J. Bentes, Trad.) São Paulo, Brasil: Edições Vida Nova.

Fausset, A. R. (s.d.). Fausset’s Bible Dictionary. (e-Sword, Ed.) USA, USA, USA.

Halley, H. H. (1999). Manual Bíblico de Halley. (G. Chow, Trad.) São Paulo, Brasil: Editora Vida.

Isbouts, J.-P., & Chilton, B. (2007). The Biblical World an Illustrated Atlas. Washinton D.C., USA: National Geographic Society.

Kugel, J. L. (2007). How to Read the Bible: A Guide to Scripture, Then and Now. New York: Free Press.

Shau, I., & Nicholson, P. (1995). The Dictionary of Ancient Egypt. New York, NY, USA: Harry N. Abrams, inc.

Wikipédia, C. d. (10 de novembro de 2012). Nação. Obtido em 20 de novembro de 2012, de Wikipédia a Enciclopédia Livre: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Especial:Citar&page=Na%C3%A7%C3%A3o&id=32895766